Publicado em Geral
Detalhes do artigo 0 comentários
11/08 2008

Elogio Fúnebre por mim proferido, para o meu querido tio Teta Lando

Alberto António Teta Lando, filho de Alberto Teta Lando e de  Maria da Conçeição dos Santos Teta, deixou-nos. Foi como se nos tivesse oferecido um último acorde longo, longo de 60 anos de melodias, de harmonias, de desarmonias, de acordes alegres em “dó maior” e de feridas dolorosas em “si menor”. Deixou-nos cedo, demasiado cedo, apenas cumpridos os 60 anos.

Alberto Teta Lando nasceu em Mbanza Congo, Província do Zaire, República de Angola, no epicentro dos acontecimentos que marcaram e produziram a contemporaneidade do actual Estado de Angola. Tinha apenas 13 anos, quando perdeu o pai, brutalmente assassinado pelo regime colonial português, por este defender a independência, a dignidade e o respeito pela diferença na unidade. Com essa idade somos demasiado pequenos para compreender e explicar a brutalidade e a intolerância dos homens; mas somos suficientemente crescidos para nunca esquecer as vicissitudes a que os homens são submetidos.

Aos 13 (treze anos) fica difícil perceber o porque decapitar um homem; pois os colonialistas portugueses, em 1961, inicio da luta de libertação  nacional, decapitaram o pai de Teta Lando, que foi enterrado sem cabeça, porque esta foi usada como amostra para intimidação dos chamados indígenas, para calar as aspirações dos angolanos à independência. 

Na sequência da morte do velho Teta, pai de Teta Lando, nosso Patriarca,  a família Teta, composta por 32 irmãos ficou destroçada  e separada. Se alguns permaneceram em Angola, outros foram para o exílio e juntaram-se aos movimentos de libertação.

Teta Lando, sua mãe e alguns de seus irmãos, fixaram residência em Luanda e Lisboa. Iniciou, então, a sua carreira musical fazendo, da música, uma arma da continuidade do legado de seu pai, a arma de combate contra  o colonialismo português e da canção um instrumento de promoção da democracia, da justiça social, da unidade nacional e da promoção dos valores Angolanos e Africanos. A cultura Bakongo, por exemplo, assumiu particular importância na sua produção, destacando-se músicas tais como  Kimbemba, Ntoyo, Tata Nkento entre outras. Muitas outras, diria, músicas militantes e românticas, letras para encantar e para lutar, palavras de oração e liberdade, são hoje verdadeiros hinos nacionais.

Por isso tudo, por tudo o que fizeste, construiste e nos deixaste, atrevo-me a dizer que  “Fugaste da escola” da vida, meu caro amigo, meu tio, meu irmão, meu artista. Fugaste, e nada disseste. Não disseste se “Vais Voltar” para um “Funge de Domingo”, para veres as vaidades e as voltinhas da “Menina de Angola” ou para nos contar as histórias da “Tia Chica”, a tal que vendia banana, ginguba e limão.

E fugiste antes de tempo, deixando-nos mais tristes, mais sós e mais órfãos!

Com a tua partida, a partitura das nossas noites de liberdade e de fraternidade ficou sem o maestro de mão segura que nos conduziu por caminhos de harmonias pessoais e socias. E que dirá  “Ntoyo ?”, agora que não estás mais entre nós e que não teremos a oportunidade de ouvir, cantada por ti, essa magnífica canção de revolta e liberdade? Que dirá essa ave amordaçada por medos sem sentido? Vai mesmo falar, apesar das vozes discordantes e das opiniões divergentes. Assim como nós, filhos da liberdade de um país que amaste e que cantaste, vezes sem conta.

Meu caro amigo, meu tio, meu irmão, meu artista.

Se eu tivesse o engenho e a arte que passeaste por estas nossas terras, dir-te-ia coisas ainda mais lindas do que aquelas que nos cantaste.
Parafraseando uma das tuas canções e, rezando baixinho, pediria  ao “Senhor para escutar a minha voz”, dizendo-lhe que estamos aqui para nos despedirmos de ti. Dizendo-lhe que a suavidade de uma música merece as honras e as belezas do paraíso onde te encontras.

Pai, Tio Beto, Mano Beto

Infelizmente só depois de partires nesta viagem sem retorno é que compreendemos aquilo que enquanto presente não era possível compreender, a sua visão de futuro, os teus princípios, a sua verticalidade, o teu forte  espírito tradicional enraizado na Cultura Bakongo, as tuas mágoas, enfim a tua honestidade.

Visionário!
Só agora percebemos as mensagens:
Camarada a palavra de ordem é união
Irmão ama o teu irmão
Irmão ajuda o teu irmão.

Só agora compreendemos o que predisseste sobre a união genuína  dos angolanos com o funje de Domingo.

Nosso visionário e poeta!

Estamos todos aqui a cumprir  com o seu Kimbemba.

Pai, mano Beto, tio Beto, avô, primo Beto!
A tua querida Cecília, os teus filhos  Nani, Mami , Vava, irmãos e irmãs,

Os teus tios e tias,

Os teus sobrinhos e sobrinhas,

Os teus primos e primas,

Os teus Netos e Netas

Os teus irmãos e sobrinhos da Diáspora ausentes neste ultimo Adeus,

Os teus cunhados e cunhadas,

Os teus compadres e comadres,

Os teus colegas da Música,

Os teus queridos companheiros da UNAC,

Muito dos teus amigos e amigas, conhecidos, conhecidas e todos teus admiradores

Estamos todos, dizendo-te, num curto adeus de músicas tuas, que ouviremos as tuas canções para que a tristeza se converta num fio de esperanças novas, de dias cheios de felicidade e de fraternidade.

Estamos aqui para reafirmarmos o nosso compromisso com o teu legado, a continuidade do Espirito de União, honestidade, bem como garantir-lhe  que tudo faremos para continuarmos a Honrar o nome do nosso patriarca, também conhecido como o Velho Teta do Uige, pelo qual sempre te bateste e cantaste o meu “ Eu vou Voltar”.

Descansa em paz, na paz dos justos, dirá  a Igreja, e na paz dos artistas, criadores de beleza e de emoções, diremos nós. Até sempre. Toma Kwenda!

 

 

COMENTÁRIOS

Acompanhe os comentários por RSS